Como o zen budismo pode ajudar a lidar com a depressão

No livro “O sofrimento é opcional”, Monja Coen detalha como o budismo enxerga a depressão, dá dicas de como superá-la e conta como conseguiu vencer a doença e uma tentativa de suicídio

0
308
SB post

“Nem sempre soube que o que sentia e fazia era devido a um estado de depressão. Incomoda, perturba, dói. Mas sofrer é opcional”.

São Paulo (SP),14/09/2017 – Os princípios do budismo podem ajudar a prevenir ou mesmo vencer a depressão, doença que atinge milhares de pessoas no mundo? A Monja Coen acredita que sim. Uma das mais admiradas líderes budistas do Brasil acaba de lançar pela Bella Editora “O sofrimento é opcional – Como o zen budismo pode ajudar a lidar com a depressão”. A obra detalha como o budismo enxerga a depressão, doença que atrapalha no trabalho, na vida pessoal, gera impactos na economia, e como seus preceitos podem ajudar a vencê-la, estimulando um debate especialmente importante agora, no setembro amarelo, como forma de prevenção ao suicídio.

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), atualmente mais de 320 milhões de pessoas sofrem da doença, que até 2020 será a enfermidade mais incapacitante do mundo.

O livro tem prefácio do jornalista e budista Heródoto Barbeiro. Em cinco capítulos, Monja Coen escreve sobre Buda e a depressão, sobre “as quatro nobre verdades”, sobre como superar a depressão, sobre os oito aprendizados de uma grande pessoa e dá sugestões “Zen para viver bem”.

A Monja conta também como vivenciou a doença. “Quando me pediram para escrever ‘O sofrimento é opcional’ pensei que fosse uma tarefa fácil. Entretanto, pouco conhecia sobre a depressão e tive de me debruçar sobre livros e escrever algo que pudesse ajudar todas as pessoas que procuram um caminho de libertação. Senti-me deprimida durante o processo. Seja qual for o seu caso – e o meu –, espero que as reflexões e os ensinamentos de Buda possam ajudar a superar amarras e libertar todos os seres”, diz.

E ela sabe do que fala, pois viveu intensamente: casou aos 13 anos, teve uma filha a seguir, foi jornalista, foi roadie de David Bowie e Alice Cooper, foi presa ao vender ácido no estrangeiro e até tentou suicídio – mas superou. Um dado importante, considerando que no Brasil 5,8% da população padece de depressão, que afeta 11,5 milhões de indivíduos. Segundo a OMS, o Brasil é o país com maior prevalência da doença da América Latina e o segundo com maior prevalência nas Américas, ficando somente atrás dos EUA, que tem 5,9% de depressivos.

Dicas – O sofrimento é opcional
Conforme a Monja, não existe ninguém que, ao longo da vida, não tenha passado por alguma experiência de depressão, em algum nível. “Eu mesma já atravessei vários momentos difíceis. E nem sempre soube que o que sentia e fazia era devido a um estado de depressão. Incomoda, perturba, dói. Mas sofrer é opcional”, conta, parafraseando o título do livro “O sofrimento é opcional”.

De acordo com ela, o Zen Budismo ensina a atravessar o oceano do nascimento, da doença, da velhice e da morte “no tranquilo barco da sabedoria perfeita”. “Pretendo apresentar em ‘O sofrimento é opcional’ algumas possibilidades de travessia. Sugiro, em primeiro lugar, que deixemos de lado a rede de notícias macabras a que estamos expostos continuamente e que poluem o cérebro, abalam a mente e criam vícios – hábitos prejudiciais tanto à nossa maneira de pensar o mundo quanto de vê-lo e agir sobre ele”, sugere.

O setembro amarelo
É uma campanha criada pelo CVV (Centro de Valorização da Vida) para a prevenção do suicídio, com o objetivo de alertar a respeito da realidade do tema no Brasil e no mundo. Ocorre no País desde 2015, por meio da identificação de lugares públicos e particulares com a cor amarela e ampla divulgação de informações.

A autora
Nascida em São Paulo (SP), em 1947, Cláudia Dias Baptista de Souza, a monja Coen, é uma mulher ímpar. Mãe aos 17, trabalhou como repórter do Jornal da Tarde, abusou de drogas e álcool, tentou o suicídio. De volta ao Brasil, após uma temporada na Europa, voltou ao Brasil e, apaixonada, mudou-se logo em seguida para os Estados Unidos com o novo namorado, americano e iluminador de palco de artistas como Alice Cooper e David Bowie. Lá, começou suas práticas regulares de zazen e fez os votos monásticos (1983). No mesmo ano, entrou para o Mosteiro Feminino de Nagoya (Japão), onde residiu por oito anos.

Após cinco casamentos, mora sozinha em seu templo Comunidade Zen Budista Zendo Brasil, no bairro do Pacaembu (SP), mesmo endereço onde passou a infância e a juventude. Tem a companhia dos alunos e de seus vários cachorros.

No YouTube
https://www.youtube.com/watch?v=tzT7jE-Ihdw

Ficha técnica
Título: O sofrimento é opcional- Como o zen budismo pode ajudar a lidar com a depressão
Autora: Monja Coen
Editora: Bella Editora
ISBN: 978-85-64431-26-3
Preço: R$ 45,00
Número de páginas: 112
Bella Editora
www.bellaeditora.com.br

Informações: Tatiana Bandeira: (11) 97665 4177 / tatiban@gmail.com

Website: http://www.bellaeditora.com.br

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome