Contaminação Cruzada e a limpeza de caixas d’água o que você precisa saber

0
155
Contaminação Cruzada e a limpeza de caixas d’água o que você precisa saber
SB post

O risco de contaminação cruzada é amplamente conhecido em hospitais, indústrias alimentícias e farmacêuticas. Entretanto, o problema de transporte de microrganismos e substâncias químicas de um local para outro  também pode ocorrer em reservatórios e caixas d’água, inclusive no seu processo de higienização.

No artigo desta semana vamos falar sobre:

  • o que são as contaminações cruzadas;
  • como podem ocorrer no processo de higienização;
  • suas consequências e;
  • como podemos evitá-las.

O que são contaminações cruzadas?

Na contaminação cruzada ocorre a transferência de contaminantes biológicos (como bactérias e vírus), produtos químicos ou produtos tóxicos de um ambiente ou superfície contaminados para outros não contaminados. Esta contaminação pode acontecer por meio de utensílios, equipamentos ou mesmo pelas mãos que podem levar os contaminantes para os outros ambientes. Por exemplo, durante o processo de limpeza, quando um profissional lava um banheiro que foi exposto a bactérias (como Escherichia coli) e, em seguida, lava uma bancada com o mesmo pano, podendo contaminá-la.

Apesar de ser bastante comum a preocupação com esse tipo de contaminação na produção de alimentos, esse tipo de situação pode ocorrer em vários segmentos, inclusive no processo de higienização de reservatórios e limpeza de caixas d’água.

Como pode ocorrer contaminação cruzada em reservatórios e caixas d’água?

A contaminação cruzada pode ocorrer  durante o processo de manutenção, inspeção, higienização e limpeza dos reservatórios quando os equipamentos utilizados durante a operação como bombas, mangueiras, equipamentos de acesso e proteção individual (botas de borracha, luvas, macacão) que por erros operacionais e falta de manutenção adequada, foram contaminados por microrganismos ou produtos tóxicos em atividades anteriores.

A contaminação também pode ocorrer por conta do local de armazenamento ou transporte desses utensílios, como, por exemplo o baú ou caçamba do veículo onde são transportados os equipamentos. Se esses ambientes não são desinfetados e limpos com regularidade ou entre uma atividade e outra, eles podem passar a ser fontes de contaminação.

Quando uma empresa de controle de pragas utiliza os mesmos recursos (veículo, equipamentos, EPIs) para realizar a higienização de um reservatório que utiliza para fazer uma operação de dedetização e não faz as devidas adequações (troca de EPIs, troca de equipamentos, desinfecção e limpeza do baú do veículo), existe um risco de que os produtos tóxicos utilizados sejam carregados para um ambiente que requer o máximo de higiene que o caso de um reservatório.

Na mesma linha de raciocínio, quando uma Desentupidora (que em diversas situações lida com resíduos líquidos) utiliza o mesmo caminhão hidrovácuo para succionar os sedimentos de fundo de um reservatório de água que utiliza para drenar uma fossa séptica, existe um risco de contaminação cruzada.

Quais os problemas de contaminação cruzada nos sistemas de água?

Sabemos que a limpeza e manutenção regulares de caixas d’água e reservatórios são essenciais para proteger a qualidade da água armazenada e deve ser realizada a cada seis meses.

Empresas que atuam em diversas frentes de trabalho, como empresas de controle de pragas e desuntupidoras, e também realizam higienização de reservatórios e limpezas de caixas d’água precisam ter o cuidado em utilizar recursos, equipamentos e utensílios específicos para essa atividade. Os resquícios de resíduos de uma fossa séptica, carregados de bactérias patogênicas, podem vir a contaminar um reservatório a ser higienizado.

Além disso, quando os organofosforados, que constituem uma classe importante de inseticidas,  se inseridos em um reservatório por meio da contaminação cruzada,  podem permanecer na água resíduos ou subprodutos em níveis relativamente nocivos para o consumo humano.

Como minimizar o risco de contaminação cruzada em reservatórios e caixas d’água?

Pensando em minimizar os riscos de contaminação cruzada durante o processo de manutenção, inspeção, higienização e limpeza dos reservatórios vamos listar alguns cuidados que devem ser tomados:

  • Sempre que os reservatórios passarem por inspeção o responsável deve estar devidamente paramentado. Além disso, a roupa de proteção individual deve ser usada exclusivamente para a inspeção do reservatório de água potável; 
  • Se a empresa não for especializada se informe se todos os equipamentos utilizados são reservados exclusivamente para trabalhos de água potável. Isso inclui todos os equipamentos de segurança, roupas de proteção individual, equipamentos de acesso e equipamentos de limpeza.
  • Realize análises de água periodicamente para identificar possíveis contaminações químicas e microbiológicas. As análises de água são o ponto inicial para medidas corretivas.

A MICROAMBIENTAL POSSUI TECNOLOGIA EXCLUSIVA PARA REMOÇÃO DE BIOFILMES.

Além de contar com uma equipe treinada e certificada para operações de risco, a tecnologia da Microambeintal é uma alternativa mais eficiente do que as tecnologias tradicionais existentes no mercado,  pois utiliza produto e método exclusivos que removem com facilidade as incrustações inorgânicas metálicas e a matriz polimérica extracelular do biofilme. Esse procedimento dispensa o uso do hidrojateamento de alta pressão, esfregões, escovas e buchas, o que torna a operação mais rápida e garante a integridade do revestimento interno do reservatório.

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome