Número de divórcios cresce 160% na última década, e separações podem dizimar patrimônio familiar

Instituto Vertus cria projeto batizado de O Roteiro de Nossas Vidas, com o objetivo de preparar pessoas para o casamento e uma união estável.

0
184
SB post

Há quem ainda acredite que o casamento é a solução para todos os problemas vividos pelos casais. Ou seja, bastaria casar-se para que as desavenças fossem embora. Engano.

O número de divórcios, segundo estudos do Governo Federal, aumentou 160% nos últimos 10 anos no Brasil. Os casamentos no País, segundo o advogado Rubens Tilkian, presidente do Instituto Vertus, não duram mais do que 15 anos.

“Se antes as relações eram para a vida toda, hoje os cônjuges se separam por volta dos 40 anos, num cenário em que não conseguem juntos sequer assistir aos filhos atingirem a maioridade”, constata. “Há algo mais preocupante: muitos desses casamentos acabam em verdadeiras guerras judiciais recheadas de ódio e vingança que, muitas vezes, perduram mais tempo do que a própria relação matrimonial e fulminam o patrimônio familiar.”

As alterações legislativas flexibilizam cada vez mais o caminho para se encerrar um casamento. No passado, eram necessários dois anos para pedir o divórcio direto e atualmente pode ser requerido a qualquer momento perante um Tabelião de Notas, desde que o casal esteja de acordo. Casa-se hoje e, se preciso, separa-se amanhã. “Uma triste realidade quando estão em jogo os valores da família”, pondera Tilkian.

O Instituto Vertus de Mediação e Resolução de Conflitos desenvolveu uma metodologia que visa contribuir com as famílias para, primeiro, prepará-las para o casamento e, segundo, e consequentemente, evitar essa preocupante degradação da vida conjugal. O projeto nominado “O Roteiro de Nossas Vidas” é destinado a todos aqueles que pretendem se casar ou conviver em união estável.

Depois de muitos anos resolvendo conflitos familiares, o Instituto Vertus atua com a missão de alinhar as expectativas do casal e prepará-lo para o relacionamento.

Obter consciência de que as pessoas não podem depositar nas outras suas próprias expectativas, nem mesmo têm o poder de mudar o outro, são medidas fundamentais para que o relacionamento dê certo. Assim, podemos ser roteiristas de nossas vidas desde que os personagens que incluímos em nossas histórias estejam devidamente cientes e preparados para contracenar em seus respectivos papéis. Do contrário, direcionará para um falso sentimento de frustração e rejeição, alimentado pelo nosso pré-julgamento destrutivo e inconsciente.

Informações para imprensa
Primeira Página | Assessoria de Comunicação e Eventos.
www.ppagina.com
Telefone (11) 5908-8210
Rua Loefgreen, 579 | Vila Mariana | 04040.030 | SP/SP
Jornalista Responsável: Luiz Carlos Franco
ppagina@ppagina.com
Janeiro/2018

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome