7 comportamentos para melhorar a saúde mental

0
200
7 comportamentos para melhorar a saúde mental
SB post

Identificar os pilares da “boa” saúde mental é crucial para melhorar nosso bem-estar mental e emocional.

O trabalho de um psiquiatra e pesquisador, identifica alguns comportamentos que contribuem para a saúde mental de qualidade: atividade, mecanismos de defesa, conexão social, regulação, cognição humana específica, auto aceitação e adaptabilidade.

Ao tentar melhorar sua saúde mental, pode ser útil manter esses comportamentos saudáveis ​​em mente.

Atividade

Durante a evolução em grupos de caça-coleta, as pessoas tiveram que ser ativas para sobreviver. Como resultado, os humanos são feitos para o movimento e o envolvimento mental, ambos essenciais para nossa saúde geral. Na verdade, quando somos mentalmente e fisicamente ativos, é menos provável que estejamos isolados e retraídos.

Normalmente, os sintomas de doença mental incluem comportamento retraído e, no caso de depressão, redução da atividade. No entanto, atividades físicas e mentais (como explorar a natureza, socializar, praticar esportes, criar arte ou ouvir música) melhoram esse problema. Como resultado, a atividade pode ajudar as pessoas com doenças mentais a vivenciar emoções positivas e melhorar seu humor.

Mecanismos de defesa

É da natureza humana focar mais em circunstâncias negativas do que em cenários positivos. Isso porque, historicamente, as pessoas tiveram que competir por recursos limitados, e evoluímos para priorizar emoções negativas, como tristeza e medo, para garantir nossa sobrevivência.

Algumas pessoas precisam fazer um teste de déficit de atenção para saber se possuem a doença, esse tipo de problema mexe com diversas emoções como: dificuldade em expressar sentimentos, sensação de tédio e apatia, desmotivação entre outros.

Quando usamos mecanismos de defesa, podemos combater a negatividade e favorecer a positividade. Por exemplo, o humor é uma ferramenta poderosa, pois pode nos ajudar a canalizar e liberar nossa energia negativa de forma construtiva. Outras estratégias incluem colocar uma “visão mais positiva” dos eventos e se separar da negatividade por meio da atenção plena. Esses métodos podem nos ajudar a nos defender contra sentimentos e circunstâncias adversas.

Conexão Social

A pesquisa confirma que as pessoas exigem um contato social de qualidade para a saúde mental. Consequentemente, a solidão prova ser um fator importante que contribui para os sintomas de doença mental.

Todas as formas de conexão são benéficas, não apenas o contato humano face a face. Por exemplo, pessoas que se sentem isoladas respondem bem a encontrar companhia por meio de animais de estimação.

No entanto, a conexão social implica interações de apoio, não apenas qualquer interação. Interações negativas, como bullying ou passar tempo com um amigo ou membro da família que estigmatiza a doença mental, podem ser prejudiciais à saúde mental. Para priorizar nossa saúde mental, devemos evitar essas experiências e buscar conexão por meio de relacionamentos positivos.

Regulamento

A regulação da emoção é a capacidade de exercer controle sobre nosso próprio estado emocional. Essa habilidade é crucial para manter emoções, pensamentos e comportamentos saudáveis. Muitas doenças mentais (incluindo depressão, ansiedade, mania e psicose) implicam na “regulação comprometida” das emoções e dos processos de pensamento.

A regulação emocional bem-sucedida diminui nossas emoções negativas (como tristeza, medo e raiva), de modo que as emoções positivas (como a excitação) superam as negativas. Igualmente importante é regular nossos processos de pensamento para garantir que nossos pensamentos sejam compatíveis com a realidade.

Ter consciência de nossas emoções e pensamentos é um primeiro passo essencial. Com essa consciência, podemos reformular nossas percepções e pensamentos negativos e substituí-los por positivos.

Cognição Humana Específica

A cognição básica, a cognição social e os processos motivacionais são componentes poderosos, embora comumente não apreciados, da boa saúde mental.

A cognição básica consiste em grande parte em nossas “funções executivas”, como atenção, organização, planejamento e multitarefa. A cognição social inclui nossa capacidade de interpretar emoções nas expressões faciais, entender a intenção dos outros e reconhecer o próprio papel nos relacionamentos. A motivação assume várias formas, como a busca pelo conhecimento ou o auto aperfeiçoamento, a busca por amizades ou parceiros românticos e a aquisição de necessidades básicas como comida, água e abrigo.

As discussões sobre saúde mental frequentemente omitem a cognição humana específica, mas as dificuldades com esse tipo de cognição são evidentes nos transtornos do espectro do autismo, deficiência intelectual, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, esquizofrenia, transtorno bipolar e depressão. Praticar nossas funções executivas e cognição social (como a leitura de expressões faciais) pode ajudar a melhorar essas habilidades.

Auto Aceitação

Aceitar a si mesmo é um pilar da “boa” saúde mental, não gostar de quem somos há muito tempo está associado a doenças mentais. A auto aceitação é um processo que envolve componentes “avaliativos” e de “perspectiva”.

Auto-estima se refere à nossa avaliação de nosso valor positivo ou negativo. O autoconceito pode ser visto como a soma de nossas crenças (nossa perspectiva) a respeito de nossos atributos e qualidades pessoais. A auto aceitação ocorre quando temos uma autoestima e um autoconceito saudáveis. Em outras palavras, nós nos vemos positivamente e entendemos nosso próprio valor.

A auto-estima e o autoconceito são negativos, as doenças mentais, como depressão e ansiedade, têm maior probabilidade de se desenvolver e persistir. Envolver-se em estratégias, como fazer um diário de auto-estima e anotar ações positivas, combinado com o envolvimento em atividades gratificantes, pode ajudar a melhorar a auto aceitação.

Adaptabilidade

As circunstâncias da vida estão em constante mudança, e nossa capacidade de ajustar o comportamento para se alinhar às mudanças imprevistas é crucial para manter nossa saúde mental. Simplificando, a vida requer flexibilidade. A falta de flexibilidade resulta em resultados desfavoráveis ​​que contribuem para doenças mentais.

O comportamento insalubre repetitivo (como nunca sair de casa) é um dos principais contribuintes para problemas de saúde mental recorrentes e persistentes. Por outro lado, os sintomas da doença mental muitas vezes limitam nossa adaptabilidade, isso geralmente se manifesta em evasão e falta de motivação. Isso pode criar um ciclo de comportamento prejudicial difícil de quebrar.

Romper esse ciclo substituindo repetidamente o comportamento insalubre repetitivo (não sair de casa) por um comportamento adaptável (forçar-nos a caminhar ou encontrar um amigo) é essencial para manter a saúde mental.

Por mais difícil que seja, às vezes a única maneira de reduzir os sintomas da doença mental é nos forçar a adotar esses comportamentos saudáveis.

Publicidade

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome